#6TermasParaArtrite Reumatóide 

 


#TermasSaúdeMaisNatural sugere-lhe 6 Termas de Portugal, de norte a sul do país, indicadas para a prevenção, controlo e reabilitação da Artrite Reumatóide:

 

 

1 - Termas de S. Pedro do Sul  | tel. 232 720 300 

 

2 - Termas das Taipas em Guimarães  |  tel.253 577 898

 

3 - Termas de S. Jorge em Stª. Maria da Feira  |  tel. 256 910 360

 

4 - Termas Alcafache em Viseu  |  tel. 232 479 797

 

5 - Termas de Cabeço de Vide |  tel. 245 634 206

 

6 - Termas de Chaves  | tel. 276 332 445

 

 

#TermasSaúdeMaisNatural dá-lhe #5Termas de Outono! A nossa escolha seguiu dois critérios essenciais: as Termas escolhidas devem estar abertas durante todo o outono, ou no mínimo, na sua maior parte; devem ter uma tabela de preços com épocas diferenciadas e assim praticar preços mais baixos no outono.

 

Caldas da Felgueira

 

 

#1 termas

 

Alcafache

 

 

#2 termas

 

#2 termas

 

Caldelas 

 

 

 "TERMAS SÃO UMA OPÇÃO NATURAL".

 RITA RIBEIRO EM ENTREVISTA EXCLUSIVA A

TERMAS SAÚDE MAIS NATURAL CONFESSA: "NÃO TOMO COMPRIMIDOS HÁ 20 ANOS".  COM UMA LONGA CARREIRA EM TEATRO E TELEVISÃO, A ATRIZ CONTA COMO OS TRATAMENTOS TERMAIS A AJUDAM  NO DIA A DIA E NA PROFISSÃO.

 

ENTREVISTA

RITA RIBEIRO

 

 

“Para mim, fazer Termas é, antes de tudo, uma atitude de prevenção. Não vale a pena ficar mal para então ir a correr às Termas. Fazer Termas é para mim, uma opção natural.” Assim sintetiza Rita Ribeiro a sua relação de anos com as Termas. Resultado? “Não tomo compridos, não tomo nada… Faço termas, faço osteopatia, faço ozonoterapia, por exemplo. As termas previnem as mazelas do corpo, são preventivas. São bem-estar e relaxantes…". Vamos então à descoberta das experiências termais desta grande senhora do teatro português …

 

RITA RIBEIRO

 

ENTREVISTA

 

 

“Para mim, fazer Termas é, antes de tudo, uma atitude de prevenção. Não vale a pena ficar mal para então ir a correr às Termas. Fazer Termas é para mim, uma opção natural.” Assim sintetiza Rita Ribeiro a sua relação de anos com as Termas. Resultado? “Não tomo compridos, não tomo nada… Faço termas, faço osteopatia, faço ozonoterapia, por exemplo. As termas previnem as mazelas do corpo, são preventivas. São bem-estar e relaxantes…". Vamos então à descoberta das experiências termais desta grande senhora do teatro português …

 

 

A primeira vez nas Termas…

 

“A minha primeira vez nas Termas foi nas Caldas da Felgueira. Fui ensaiar para as Termas com toda a equipa do espetáculo que se chamava “Nós, Portugal e o fado”. Fomos conciliar o trabalho com o bem-estar. E ficámos a equipa toda a ensaiar e a fazer termas ao mesmo tempo. Era fantástico. E depois ganhei este hábito porque notei o bem que as Termas me fizeram: a nível das vias respiratórias e da voz …”

 

 

Os primeiros Tratamentos Termais…

 

“Os meus primeiros Tratamentos Termais foram às vias respiratórias e às músculo-esqueléticas. Ser ator é um trabalho de risco… A maior parte dos atores de palco têm maleitas que se ligam à profissão, tal como um pianista tem, tal como muitas outras profissões têm. Quase todos os atores de palco têm tendência para a artrose nas articulações, nas mãos e nos pés, pela tensão com que se está no palco. Realmente não estamos tão descontraídos como as pessoas pensam e essa tensão foge para as mãos e para os pés, principalmente. E então aparecem as artroses… E senti resultados, consequências fantásticas. O relaxamento…"

 

 

… e a descoberta de uma ferramenta!

 

“Não foi surpreendente, foi confortável! Foi uma coisa muito confortável. Foi pensar que afinal há aqui uma ferramenta que posso utilizar duas vezes por ano, ou no mínimo uma vez, mas o ideal será duas vezes, e sentir-me melhor para a minha profissão e para o meu bem-estar no meu dia-a-dia.”

 

 

Também para a Voz…

 

“ Sim, tenho sinusite crónica. Sinusite, rinite e esse género de coisas. E tem a ver também com a limpeza da voz e com a respiração. A respiração que é uma função básica de um ator! E que bem me faz! “

 

 

“Não tomo medicamentos…”

 

 “Eu comecei a fazer Termas depois da minha filha Maria nascer, portanto, depois dos 40 anos. …. E pensei Quero estar ao lado desta menina o mais que puder”. Como fui mãe tarde e depois a minha sogra morre com 48 anos - tinha a minha idade - isso foi muito decisivo para mim e disse para comigo: “Epá, que susto, o que é isto?”. A miúda era pequenina, tinha 4 anos e eu disse: “ Não!…Vou deixar de fumar… Não  vou tomar mais medicamentos…". Até hoje.

 

 

 

 

 

"SER ATOR É UM TRABALHO DE RISCO... QUASE TODOS OS ATORES DE PALCO TÊM TENDÊNCIA PARA A ARTROSE NAS ARTICULAÇÕES, NAS MÃOS E NOS PÉS, PELA TENSÃO COM QUE SE ESTÁ NO PALCO. COMECEI A FAZER TERMAS DEPOIS DOS 40 ANOS. E SENTI RESULTADOS, CONSEQUÊNCIAS FANTÁSTICAS"

 

E aparece a fibromialgia

 

“Já fazia Termas quando soube que tinha fibromialgia… Foi-me diagnosticado fibromialgia há 4 anos. E eu fiz o finca-pé com os médicos, todos a dizerem-me as coisas mais incríveis e eu continuei: “Não tomo, não tomo medicamentos…”. E ainda bem que não tomei…”

 

 

“Energeticamente compatível com as Termas de S. Jorge…”

 

“Gosto muito de S. Pedro do Sul até porque sou muito bem recebida no Grande Hotel Lisboa, mas as minhas Termas de eleição são as Termas de S. Jorge São aquelas em que me sinto em casa porque é uma energia compatível comigo. Não sei explicar. Para mim, são especiais: criei ali laços afetivos… e eu sou uma pessoa de afetos. Com os colaboradores, com a direção, com o alojamento onde fico. Sei lá… ganhei laços afetuosos com tudo aquilo, com o sítio que é energeticamente compatível comigo, muito tranquilo. Perto da cidade, sim, mas ao mesmo tempo aquilo é lindíssimo. Tem imensos sítios por onde caminhar…. E são perto do Porto!”

 

 

“A fazer o “Violino no Telhado” no Rivoli no Porto e Termas em S. Jorge…”

 

“Eu estava no Porto a trabalhar, estava a fazer “ O Violino no Telhado” no Rivoli e… com a humidade do Porto, com o muito trabalho, tive uma bronquite. E falaram-me nas Termas de S. Jorge e fui. Estive a viver 18 meses no Porto e nas folgas ia para as Termas…. Nunca mais deixei de ir…”

 

 

“Termas são limpeza, limpeza para as pessoas dos 60, 50, 40, 30 e mesmo para as crianças…”

 

Sim, crianças. É tão bom, faz tão bem, tão bem. Aqueles problemas respiratórios que os miúdos têm. A minha filha mais nova, a Maria, também chegou a fazer bastantes Termas em S. Jorge, às vias respiratórias… Agora é evidente que não é só pelas águas em si. É pelas águas, é por as pessoas pararem, por as pessoas mudarem de sítio, são várias coisas… É emocional porque, eu sou estudante de metafísica, portanto acredito que as doenças têm uma percentagem enorme de carga emocional… acredito até por experiência própria porque já vivi isso. Uma pessoa muda, vai para um sítio agradável, é bem tratado, faz tratamentos, muda de sítio… Isso é logo uma coisa absolutamente decisiva para o bem-estar… O contexto ajuda, não é? E quase sempre as Termas são em sítios lindos… e é limpeza, é limpeza, limpeza… “

 

 

“As águas termais são óptimas…”

 

”Claro que sim, com certeza. Mas não é só, é um conjunto. É a predisposição das pessoas que dizem: “Eu vou para me curar” e isso tem muita força. Uma pessoa pensa “eu vou para me curar” e já está 50% da cura. E depois é o convívio que as pessoas têm… Todo o contexto ajuda, mas as águas termais são ótimas. A água é vida, não é? Limpa.”

 

 

“Carreira no teatro? Para mim o importante é o momento que

estou a viver”

 

“O passado não tem futuro, dizem os budistas. O passado é maravilhoso porque me levou até aqui e abençoo o caminho percorrido, mas eu vivo o momento e neste momento o importante para o mim é o que estou a fazer, o que estou a ensaiar… E neste momento estou a fazer “A Surpreendente Casa de Chocolate” que vai estar em cena até dia 6 de janeiro, no MarShopping. É uma média de 75 mil crianças que nos vêem entre 15 de novembro e 6 de janeiro. São sempre dois espetáculos por ano, um em Lisboa no Alegro e outro no Porto. É um musical com todos os ingredientes de um musical. Já fiz “A Branca de Neve e a Cinderela” e este ano estou a fazer “A Surpreendente Casa de Chocolate”. Gosto muito de estar a motivar as crianças para o teatro no futuro. Não há nenhuma criança que não veja um destes espectáculos e que não se lembre dele. E desde que fiz “A Branca de Neve…”, há 5 anos, passei a ter um público novo, diferente, com quem eu nunca tinha trabalhado e hoje em dia já há miúdos que viram com 5 anos e que agora com 10 têm as fotografias tiradas com a Bruxa má da Branca de Neve e passaram a conhecer o meu trabalho, o que é fantástico, porque estou a investir no meu futuro.”

 

 

“Não penso deixar de trabalhar tão cedo…”

 

“Sim, porque eu não penso deixar de trabalhar tão cedo. Entretanto continuo a fazer a produção do BOCAge, que continua a ser vendido para 2019, para a estrada, para digressão. E ainda tenho dois outros projetos de teatro para 2019, de convite, como atriz convidada, não produzidos por mim. E estou já a produzir também um outro espetáculo…”

 

 

“Uma vida fantástica…”

 

“Tem sido fantástica, tem sido uma vida riquíssima, … com imensas experiências, com imensas pessoas com que me cruzei desde que nasci, porque nasci no ambiente do teatro, da rádio e do cinema… Tem sido uma vida maravilhosa e espero que continue a ser ainda melhor…”

 

 

Paixão pelo teatro?

 

“Paixão é uma coisa muito efémera. É amor, é mais amor que paixão. Paixão é uma coisa muito efémera, que nos dá muito forte e passa depressa. Mas sim: sou apaixonada pela minha profissão, completamente e cada vez mais. Sou apaixonada, tenho amor. E sou apaixonada pela vida em primeiro lugar…”

 

 

 

 

 

"AS ÁGUAS TERMAIS SÃO ÓTIMAS. É UMA FERRAMENTA QUE POSSO UTILIZAR DUAS VEZES POR ANO E SENTIR-ME MELHOR PARA A MINHA PROFISSÃO E PARA O MEU BEM-ESTAR. NÃO PENSO DEIXAR DE TRABALHAR TÃO CEDO..."

 

 

“Para mim, fazer Termas é, antes de tudo, uma atitude de prevenção. Não vale a pena ficar mal para então ir a correr às Termas. Fazer Termas é para mim, uma opção natural.” Assim sintetiza Rita Ribeiro a sua relação de anos com as Termas. Resultado? “Não tomo compridos, não tomo nada… Faço termas, faço osteopatia, faço ozonoterapia, por exemplo. As termas previnem as mazelas do corpo, são preventivas. São bem-estar e relaxantes…". Vamos então à descoberta das experiências termais desta grande senhora do teatro português …

 

 

A primeira vez nas Termas…

 

“A minha primeira vez nas Termas foi nas Caldas da Felgueira. Fui ensaiar para as Termas com toda a equipa do espetáculo que se chamava “Nós, Portugal e o fado”. Fomos conciliar o trabalho com o bem-estar. E ficámos a equipa toda a ensaiar e a fazer termas ao mesmo tempo. Era fantástico. E depois ganhei este hábito porque notei o bem que as Termas me fizeram: a nível das vias respiratórias e da voz …”

 

 

Os primeiros Tratamentos Termais…

 

“Os meus primeiros Tratamentos Termais foram às vias respiratórias e às músculo-esqueléticas. Ser ator é um trabalho de risco… A maior parte dos atores de palco têm maleitas que se ligam à profissão, tal como um pianista tem, tal como muitas outras profissões têm. Quase todos os atores de palco têm tendência para a artrose nas articulações, nas mãos e nos pés, pela tensão com que se está no palco. Realmente não estamos tão descontraídos como as pessoas pensam e essa tensão foge para as mãos e para os pés, principalmente. E então aparecem as artroses… E senti resultados, consequências fantásticas. O relaxamento…"

 

 

… e a descoberta de uma ferramenta!

 

“Não foi surpreendente, foi confortável! Foi uma coisa muito confortável. Foi pensar que afinal há aqui uma ferramenta que posso utilizar duas vezes por ano, ou no mínimo uma vez, mas o ideal será duas vezes, e sentir-me melhor para a minha profissão e para o meu bem-estar no meu dia-a-dia.”

 

 

Também para a Voz…

 

“ Sim, tenho sinusite crónica. Sinusite, rinite e esse género de coisas. E tem a ver também com a limpeza da voz e com a respiração. A respiração que é uma função básica de um ator! E que bem me faz! “

 

 

“Não tomo medicamentos…”

 

 “Eu comecei a fazer Termas depois da minha filha Maria nascer, portanto, depois dos 40 anos. …. E pensei Quero estar ao lado desta menina o mais que puder”. Como fui mãe tarde e depois a minha sogra morre com 48 anos - tinha a minha idade - isso foi muito decisivo para mim e disse para comigo: “Epá, que susto, o que é isto?”. A miúda era pequenina, tinha 4 anos e eu disse: “ Não!…Vou deixar de fumar… Não  vou tomar mais medicamentos…". Até hoje.

 

 

 

 

 

"TERMAS SÃO UMA OPÇÃO NATURAL". RITA RIBEIRO EM ENTREVISTA A TERMAS SAÚDE MAIS NATURAL CONFESSA: "NÃO TOMO COMPRIMIDOS HÁ 20 ANOS".  COM UMA LONGA CARREIRA EM TEATRO E TELEVISÃO, A ATRIZ CONTA COMO OS TRATAMENTOS TERMAIS A AJUDAM  NO DIA A DIA E NA PROFISSÃO

 

 

E aparece a fibromialgia

 

“Já fazia Termas quando soube que tinha fibromialgia… Foi-me diagnosticado fibromialgia há 4 anos. E eu fiz o finca-pé com os médicos, todos a dizerem-me as coisas mais incríveis e eu continuei: “Não tomo, não tomo medicamentos…”. E ainda bem que não tomei…”

 

 

“Energeticamente compatível com as Termas de S. Jorge…”

 

“Gosto muito de S. Pedro do Sul até porque sou muito bem recebida no Grande Hotel Lisboa, mas as minhas Termas de eleição são as Termas de S. Jorge São aquelas em que me sinto em casa porque é uma energia compatível comigo. Não sei explicar. Para mim, são especiais: criei ali laços afetivos… e eu sou uma pessoa de afetos. Com os colaboradores, com a direção, com o alojamento onde fico. Sei lá… ganhei laços afetuosos com tudo aquilo, com o sítio que é energeticamente compatível comigo, muito tranquilo. Perto da cidade, sim, mas ao mesmo tempo aquilo é lindíssimo. Tem imensos sítios por onde caminhar…. E são perto do Porto!”

 

 

“A fazer o “Violino no Telhado” no Rivoli no Porto e Termas em S. Jorge…”

 

“Eu estava no Porto a trabalhar, estava a fazer “ O Violino no Telhado” no Rivoli e… com a humidade do Porto, com o muito trabalho, tive uma bronquite. E falaram-me nas Termas de S. Jorge e fui. Estive a viver 18 meses no Porto e nas folgas ia para as Termas…. Nunca mais deixei de ir…”

 

 

“Termas são limpeza, limpeza para as pessoas dos 60, 50, 40, 30 e mesmo para as crianças…”

 

Sim, crianças. É tão bom, faz tão bem, tão bem. Aqueles problemas respiratórios que os miúdos têm. A minha filha mais nova, a Maria, também chegou a fazer bastantes Termas em S. Jorge, às vias respiratórias… Agora é evidente que não é só pelas águas em si. É pelas águas, é por as pessoas pararem, por as pessoas mudarem de sítio, são várias coisas… É emocional porque, eu sou estudante de metafísica, portanto acredito que as doenças têm uma percentagem enorme de carga emocional… acredito até por experiência própria porque já vivi isso. Uma pessoa muda, vai para um sítio agradável, é bem tratado, faz tratamentos, muda de sítio… Isso é logo uma coisa absolutamente decisiva para o bem-estar… O contexto ajuda, não é? E quase sempre as Termas são em sítios lindos… e é limpeza, é limpeza, limpeza… “

 

 

“As águas termais são óptimas…”

 

”Claro que sim, com certeza. Mas não é só, é um conjunto. É a predisposição das pessoas que dizem: “Eu vou para me curar” e isso tem muita força. Uma pessoa pensa “eu vou para me curar” e já está 50% da cura. E depois é o convívio que as pessoas têm… Todo o contexto ajuda, mas as águas termais são ótimas. A água é vida, não é? Limpa.”

 

 

“Carreira no teatro? Para mim o importante é o momento que

estou a viver”

 

“O passado não tem futuro, dizem os budistas. O passado é maravilhoso porque me levou até aqui e abençoo o caminho percorrido, mas eu vivo o momento e neste momento o importante para o mim é o que estou a fazer, o que estou a ensaiar… E neste momento estou a fazer “A Surpreendente Casa de Chocolate” que vai estar em cena até dia 6 de janeiro, no MarShopping. É uma média de 75 mil crianças que nos vêem entre 15 de novembro e 6 de janeiro. São sempre dois espetáculos por ano, um em Lisboa no Alegro e outro no Porto. É um musical com todos os ingredientes de um musical. Já fiz “A Branca de Neve e a Cinderela” e este ano estou a fazer “A Surpreendente Casa de Chocolate”. Gosto muito de estar a motivar as crianças para o teatro no futuro. Não há nenhuma criança que não veja um destes espectáculos e que não se lembre dele. E desde que fiz “A Branca de Neve…”, há 5 anos, passei a ter um público novo, diferente, com quem eu nunca tinha trabalhado e hoje em dia já há miúdos que viram com 5 anos e que agora com 10 têm as fotografias tiradas com a Bruxa má da Branca de Neve e passaram a conhecer o meu trabalho, o que é fantástico, porque estou a investir no meu futuro.”

 

 

“Não penso deixar de trabalhar tão cedo…”

 

“Sim, porque eu não penso deixar de trabalhar tão cedo. Entretanto continuo a fazer a produção do BOCAge, que continua a ser vendido para 2019, para a estrada, para digressão. E ainda tenho dois outros projetos de teatro para 2019, de convite, como atriz convidada, não produzidos por mim. E estou já a produzir também um outro espetáculo…”

 

 

“Uma vida fantástica…”

 

“Tem sido fantástica, tem sido uma vida riquíssima, … com imensas experiências, com imensas pessoas com que me cruzei desde que nasci, porque nasci no ambiente do teatro, da rádio e do cinema… Tem sido uma vida maravilhosa e espero que continue a ser ainda melhor…”

 

 

Paixão pelo teatro?

 

“Paixão é uma coisa muito efémera. É amor, é mais amor que paixão. Paixão é uma coisa muito efémera, que nos dá muito forte e passa depressa. Mas sim: sou apaixonada pela minha profissão, completamente e cada vez mais. Sou apaixonada, tenho amor. E sou apaixonada pela vida em primeiro lugar…”

 

 

 

"SER ATOR É UM TRABALHO DE RISCO... QUASE TODOS OS ATORES DE PALCO TÊM TENDÊNCIA PARA A ARTROSE NAS ARTICULAÇÕES, NAS MÃOS E NOS PÉS, PELA TENSÃO COM QUE SE ESTÁ NO PALCO. COMECEI A FAZER TERMAS DEPOIS DOS 40 ANOS. E SENTI RESULTADOS, CONSEQUÊNCIAS FANTÁSTICAS"

 

 

AS ÁGUAS TERMAIS SÃO ÓTIMAS. É UMA FERRAMENTA QUE POSSO UTILIZAR DUAS VEZES POR ANO E SENTIR-ME MELHOR PARA A MINHA PROFISSÃO E PARA O MEU BEM-ESTAR. NÃO PENSO DEIXAR DE TRABALHAR TÃO CEDO..."